Объясните на португальском языке связь между словами, объединенными в подгруппы в предыдущем задании.

16. Найдите в словаре урока: а) синонимы; б) антонимы следующих слов и словосочетаний:

a) camarote, graça, projecção, comportar, grupo teatral;

b) teatro de revista, começar, regularmente, filme mudo, filme legendado, facultativamente.

17. Переведите следующие фразы с модальным глаголом "dever":

1. Está aberto às 8h. e 3om.? — Deve estar. 2. O Manuel deve estar muito letrado agora. 3. Esses filmes devem ser vistos e revistos um sem número de vezes. 4. Penso que o comboio deve já partir. 5. A sessão é pouco interessante. — Deve ser.

18. Переведите следующие фразы, употребляя модальный глагол "dever" в значении предположения:

1. Он, наверное, уже отдыхает: не надо его беспокоить. 2. Машина, должно быть, уже нас ждет. 3. По-видимому, они уезжают. 4. Вероятно, сеанс уже начинается. 5. Может быть, вы и правы. 6. Наверное, это интересный фильм.

19. Прочтите и переведите следующий текст:

Fundação Calouste Gulbenkian.

Instituição particular de utilidade pública criada em 1953 com sede em Lisboa. O instituidor milionário e filantropo de nacionalidade arménia, Calouste Sarkis Gulbenkian — escolheu Portugal para instalar a sede da Fundação, destinada a fomentar as artes, as ciências, a instrução, e a caridade, em geral. Os fins da Fundação são expressadamente caritativos, artísticos, educativos e científicos, e a sua acção exerce-se não só em Portugal, mas também em qualquer outro país onde os seus administradores julguem conveniente exercê-la.

20. Образуйте усеченные формы придаточных уступительных предложений, начинающихся с союза "embora" или "apesar de que" в тех случаях, когда это возможно:

1. Embora sejam caros, vou comprar os bilhetes. 2. Embora o pai estivesse doente, foi buscar os medicamentos à farmácia. 3. Embora tenham muita fruta na quinta, comem-na poucas vezes. 4. Embora estivéssemos sentados longe, ouvimos bem o que se dizia. 5. Embora o comércio seja fraco, dá para viver aos pequenos comerciantes do bairro. 6. Apesar de que joguem melhor, vão perder o jogo. 7. Apesar de que não tenhas medo de ratos, é bom haver um gato cá em casa. 8. Apesar de que sejam muito antigas as moedas devem ser vendidas a um coleccionador. 9. Apesar de que as malas fossem bastante parecidas o guarda notou a diferença.



21. Переведите на русский язык следующие предложения, объясните употребление в них выделенных курсивом глаголов в Modo Conjuntivo:

1. ... a supressão da censura ... não bastava, só por si, para que se alterassem as estruturas arcaicas em que a prática do teatro continuava a assentar. 2. Embora não ... fossem subsidiados ..., alguns desses grupos conseguiram sobreviver. 3. Se se quiser uma informação mais pormenorizada, será necessário comprar o semanário "Sete". 4. Os distribuidores de filmes recearam que a televisão desviasse muito do público habitual dos cinemas. 5. Não é fácil encontrar-se bilhetes, se não os comprarem antecipadamente. 6. Se um filme for de qualidade comprovada, poderão passar-se semanas ou meses de "lotação esgotada". 7. Mas os condicionalis-mós

não permitiram que os filmes da época deixassem transparecer com clareza a mensagem pretendida que os tornasse menos herméticos. 8. O festival, embora seja organizado por portugueses, reúne um júri internacional que premeia os filmes considerados os melhores.

* Междометия essa é boa! и é boa! могут иметь значения ну и ну!, ничего себе!, хорошенькое дельце! и т. д. в соответствующем контексте. В устной речи это значение передается при помощи интонации.

** Неодобрение, порицание часто выражаются посредством притяжательного местоимения 3-го лица ед. и мн. числа — seu(s), предшествующего определенному слову:
Seu patife! — ах ты, негодяй!
Seus malandros! — ах вы, мошенники!

* Краткая форма от устаревшего словосочетания acuda aqui a gente d'el rei! — на помощь, люди короля!

TEXTO

A VIDA CULTURAL E RECREATIVA EM PORTUGAL

O Teatro

O teatro faz parte da cultura e é impossível conhecer a cultura de um povo ignorando o seu teatro. Almeida Garrett, romancista, poeta, autor dramático português disse: "O teatro é um grande meio de civilização, mas não prospera onde a não há..."



O teatro português e a vida teatral portuguesa em geral têm sofrido altos e baixos. A data de 25 de Abril de 1974 marcou uma ruptura em todos os sectores da vida nacional e, portanto, no do teatro também. O levantamento militar que na madrugada desse dia pôs termo ao regime fascista da mais longa duração que a história regista e o levantamento popular que se lhe seguiu abriram um processo de profunda transformação da sociedade portuguesa. Pela confirmação na Constituição da República do princípio da plena liberdade de expressão, proclamada depois do 25 de Abril, fixou-se uma das condições necessárias para a resolução dos problemas que afligiam o teatro português.

Em 1978 apareceram duas companhias estatais — a do Teatro Nacional de S. Carlos (o de ópera), que desgraçadamente não restituiu o nome de Garrett que a República lhe dera e o fascismo lhe tirara, e a de um pretenso Teatro Popular. Os portugueses têm alto apreço pelo teatro, tanto em Lisboa (Teatro Municipal de São Luís, Teatro Aberto, Teatro de Dona Maria II), como na província. Alguns grupos teatrais independentes, que já tinham aproveitado a chamada "liberalização" marcelista puderam no entanto, desabrochar só após o 25 de Abril. Embora não ou quase não fossem subsidiados alguns desses grupos conseguiram sobreviver e fazer com que se tornassem famosos não só em Portugal mas também no estrangeiro. é o caso, por exemplo, de "A Comuna", "A Barraca", "A Cornucópia", etc.

Há três grupos culturais de grande nível e que muito têm contribuído para o apuramento do gosto cultural dos portugueses — o "Grupo de Teatro de Campolide" (bairro lisboeta) que se instalou em Almada, o "Teatro de Animação" de Setúbal e o Centro Cultural de évora.

Outro tipo do teatro é o de revista, isto é, um teatro ligeiro, popular, representante da arte comercial, que visa sobretudo fins lucrativos sem olhar à qualidade dos temas. Apresentando por vezes comédias de gosto muito duvidoso, o teatro de revista especializa-se em temas que têm grande audiência entre as diferentes camadas de população (do intelectual ao analfabeto, passando pelo comerciante e a dona de casa) — desde vistosos números musicais até aos "sketches" cómicos de crítica social e política. Por isso, durante o fascismo, apesar de muito censurada, a revista conseguia

veicular através da graça, da "piada", algumas críticas disfarçadas do regime. Actualmente, varia de acordo com a personalidade e a ideologia do empresário e dos encenadores.

Para saber que espectáculos se realizam cada dia, pode-se consultar a página com anúncios dos espectáculos em qualquer jornal diário ou ver a lista de espectáculos que aparece na televisão, logo a seguir ao "Tele-jornal" (noticiário nacional e internacional) por volta das 20 h e 30 m.

Se se quiser uma informação mais pormenorizada, será necessário comprar o semanário "Sete", que sai todas as quartas-feiras e informa sobre todo o género de espectáculos, divertimentos ou actividades culturais (incluindo exposições de pintura, escultura, etc.) que se realizam durante a semana.

Apresenta as últimas estreias e faz a crítica de alguns espectáculos já realizados.

Nos dias de semana, não é muito difícil conseguir bilhete para o cinema ou o teatro. às sextas à noite, sábados ou domingos, é quase impossível encontrar lugar, se não se for para a bicha em frente da bilheteira com bastante antecedência.

Os preços dos bilhetes para os espectáculos de teatro são mais elevados do que os do cinema, mas, de uma maneira geral, não lhes falta público. Não podemos esquecer que o teatro é falado em português e é, portanto, mais acessível a um público que nem sempre é muito letrado.

Um analfabeto terá dificuldade em seguir um filme estrangeiro que é sempre apresentado em versão original com legendas em português.

Para a ópera ou o ballet, há venda antecipada de assinaturas para todos os espectáculos da temporada e também para um só espectáculo.

Estes dois últimos espectáculos são os mais caros, mas quando realizados com o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian, tornam-se mais acessíveis e custam pouco mais do que uma entrada para o cinema.

Lisboa, como é óbvio, é a cidade do país que teve, desde sempre, uma vida teatral mais intensa. O Porto, no entanto, tenta rivalizar com a capital, mas, de uma maneira geral, fica ainda aquém, o mesmo acontecendo com Coimbra.

O Cinema

Os cinemas lisboetas e portuenses tradicionais são edifícios grandes e confortáveis, com vários andares correspondentes a cada uma das categorias de lugares — plateia, em baixo, primeiro balcão mais acima e segundo balcão no ponto mais alto. Em Lisboa há muitos cinemas desde as grandes salas de estreia até ao pequeno cinema de bairro. Ultimamente, começa a generalizar-se o aparecimento do estúdio ou conjunto de estúdios, isto é, um conjunto de pequenas salas de projecção que apresentam simultaneamente filmes diferentes. O "São Jorge", por exemplo, situado na Avenida da Liberdade na zona mais central de Lisboa, e que era até há pouco tempo uma das maiores e mais confortáveis salas do país, subdividiu-se em três mais pequenas. O "Quarteto", sito na Avenida dos Estados Unidos, numa zona bastante moderna da cidade, comporta quatro salas,

onde se estreiam ao mesmo tempo alguns dos melhores filmes distribuídos em Portugal. O"Alpha-Triplex", um dos mais recentes centros comerciais, próximo da Praça do Areeiro, integra também duas salas de projecção.

As salas são mais pequenas, sem balcões, nem lugares marcados, mas estes cinemas têm uma vantagem: se na bilheteira para a sala I, por exemplo, já está esgotada a lotação, é possível encontrar ainda bilhetes em qualquer das bilheteiras para as outras salas.

Quer os cinemas tradicionais quer os mais modernos têm sempre uma grande sala de estar com bar, onde se pode tomar café, qualquer bebida ou refresco e mesmo comer sanduíches ou bolos, durante os intervalos (10 minutos).

Quando há dois intervalos, eles distribuem-se da seguinte maneira: o primeiro aparece no fim dos documentários, que são acompanhados quase sempre de um pequeno filme de desenhos animados, e o segundo aparece a meio do filme principal.

O lisaboeta aproveita o intervalo para ir à sala de espera (átrio), ao bar, conversar com algum amigo, comentar o filme.

No fim do espectáculo, gosta ainda de ir tomar qualquer coisa, fora do cinema, antes de regressar a casa.

São de diferentes origens os filmes exibidos em Portugal: americanos, ingleses, franceses, italianos, espanhóis, nórdicos, etc. Após o 25 de Abril tornou-se mais regular a exibição de filmes oriundos dos países socialistas, que, antes dessa data, só apareciam esporadicamente nos "écrans" portugueses. O mesmo se deu com a cinematografia indiana.

O lisboeta vai muito ao cinema. Quando apareceu a televisão, os distribuidores de filmes recearam que ela desviasse muito do publico habitual dos cinemas. Mas isso não aconteceu, apesar do aumento considerável dos preços dos bilhetes e também do número de televisores em Portugal.

No fim de semana, ou mesmo nos outros dias, à noite, não é fácil encontrar-se bilhetes, se não os comprarem antecipadamente. Se um filme for de qualidade comprovada, poderão passar-se semanas ou meses de "lotação esgotada", mesmo nas agências de venda de bilhetes para espectáculos. O "Quarteto", o "Londres", o "São Jorge" levam quase sempre filmes de qualidade, O "Condes", o "Odeon" na Baixa especializam-se em filmes de aventuras espectaculares.

Os anúncios de filmes nos jornais ou noutros meios de comunicação social têm obrigatoriamente a informação relativa à idade a que se destinam e outras várias indicações: "Para todos", "Para maiores de 13 anos", "Para adultos", "Interdito a menores de 18 anos", "Contém cenas eventualmente chocantes", que acompanham, de uma maneira geral, a publicidade.

A cinematografia portuguesa tem percorrido um caminho difícil. Antes do 25 de Abril, particularmente no tempo de Salazar, a censura era muito severa e qualquer tema que abordasse aspectos da vida social menos cor-de-rosa era considerado subversivo. Isso teve, é evidente, repercussões negativas na quantidade e qualidade dos filmes então produzidos.

São dessa época algumas comédias amenas, sem grande profundidade, embora não totalmente desinteressantes. Servem para documentar um tipo de humor e também de sentimentalismo do agrado do povo português. E por isso mesmo que a televisão as apresenta muitas vezes.

"O Pátio das Cantigas", "O Leão da Estrela", "O Costa do Castelo" devem ter sido vistos e revistos por todos os portugueses, tal como os dramas "Inês de Castro" e "Camões".

Na época "liberal" de Marcelo Caetano houve umas tentativas para criar outro tipo de cinema. Mas os condicionalismos não permitiram que os filmes de época deixassem transparecer com clareza a mensagem pretendida que os tornasse menos herméticos.

Após o 25 de Abril surgiram alguns filmes interessantes, mas a influência poderosíssima da indústria cinematográfica norteamericana e europeia foi reflectir-se na produção de filmes portugueses que se tornou pouco regular. No entanto, algumas das últimas obras têm sido muito apreciadas nos festivais internacionais e os críticos consideram a cinematografia portuguesa muito original com características muito próprias. Vários filmes publicitários, curtas metragens e documentários são desde há muito distinguidos internacionalmente com prémios.

Fora dos circuitos comerciais realizam-se também outras sessões de cinema que não têm fins lucrativos e visam apenas a apresentação de bons filmes. é o caso das sessões da Cinemateca Nacional, da Fundação Ca-louste Gulbenkian, dos cineclubes, das faculdades, de agremiações culturais e recreativas, etc. As entradas são muito baratas ou gratuitas (conforme os casos), os filmes são seleccionados segundo o critério de qualidade e são geralmente seguidos de debates interessantes e animados por pessoas ligadas ao mundo do cinema. Organizam-se também em colaboração com os serviços culturais das diferentes embaixadas, semanas de cinema dos países com representação diplomática em Portugal. Outras realizações tornaram-se, desde há alguns anos, acontecimentos importantes neste âmbito. São o "Ciclo de Cinema da Casa da Imprensa" e o "Festival Internacional de Cinema" realizado na Figueira da Foz. Este, embora seja organizado por portugueses, reúne um júri internacional que premeia os filmes considerados os melhores.

No Porto, realiza-se, desde há algum tempo, o festival do cinema Fantástico — "Fantasporto" — que atrai muito público interessado por este género de filmes.

Упражнения и задания по тексту


3421677097345227.html
3421729609732034.html
    PR.RU™